Micoses e seus causadores

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Botão em Curso Micoses e seus causadores

Mensagem por José Carlos Pereira em Qui 05 Set 2013, 10:51

Martin.
Sugiro, se já não está sendo feito, juntar todos os trabalhos sobre micoses num só local para facilitar a pesquisa.
Para não perder a viagem, anexo um trabalho que fiz sobre criptococose. Pouco falada, mas de grande importância.
Os amigos poderiam perder um tempinho e dar uma lida no introito, que é comum em todos os trabalhos que fiz sobre micoses, porque são conhecimentos importantes no controle de todas as micoses nos criadouros.
Abraço.
José Carlos.


BOLETIM  DO  CRIADOURO  CAVIÚNAS  NÚMERO  26   ABRIL  2008      
REDATOR: Dr. JOSÉ CARLOS PEREIRA
RUA JOAQUIM DO PRADO, 49, CRUZEIRO, SP.
TELEFAX 012 31443590
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] 
                                                                                                                        
                                             
                                        
 
 
 
 
 
 
 
                                               MICOSES/CRIPTOCOCOSE
 
Os fungos ou cogumelos são geralmente representados pelos bolores e leveduras. São conhecidos pelos franceses por champignon, palavra muito usada para designar os fungos comestíveis. Os ingleses chamam diferentemente levedura (yeast) e bolor (mold). E os alemães preferem Pilze ou Hefepilze.
Na antiga e clássica classificação de Van Thiegen eles são classificados como vegetais arrizófitos (desprovidos de raiz) talófitos juntamente com as algas e os liquens. São  constituídos apenas por um talo, sem caule, raiz ou folha, desprovidos de clorofila, o que, os torna incapazes de sintetizar os próprios alimentos a partir de compostos orgânicos. Portanto, são seres heterotróficos, incapazes de sintetizar substâncias orgânicas de que precisam para seu sustento. Para obter essas substâncias orgânicas  tornam-se saprófitas ou parasitas de outras plantas.
Ao microscópio os fungos aparecem na forma redonda ou oval (leveduras) ou filamentosa de hifa (bolor). As colônias de leveduras são regulares e as dos bolores irregulares e flocosas. Dentre os fungos que crescem como leveduras temos as espécies de Candida e Cryptococcus e entre os bolores as espécies de Aspergillus, Rhizopus e os dermatofitos (determinam as micoses superficiais da pele e seus anexos e também conhecidas por tinhas). Fungos como o da histoplasmose, blastomicose, esporotricose, coccidioidomicose e paracoccidioidomicose são chamados dimórficos (duas formas), pois, são redondos nos tecidos, mas crescem como bolor (hifa) quando cultivados à temperatura ambiente. Com exceção da C. glabrata, as outras espécies de Candida aparecem nos tecidos como leveduras arredondadas ou elementos tubulares chamados pseudohifas. 
O estudo dos fungos ganhou importância maior desde as investigações de Louis Pasteur sobre as fermentações biológicas tendo como base as leveduras, chamadas por ele de “fermentos figurados”.
Os fungos podem ser usados:
-Como enzimas na fabricação do álcool, da cerveja, do vinho e outras bebidas alcoólicas como o uísque, o rum, o pulqué, o taette, o kvass, o sorgho, o saquê, o gim; na panificação e na fabricação de alguns queijos, na extração de vitaminas, na obtenção do ácido cítrico, da glicerina, do ácido glucônico, do ácido lático, do ácido fumárico e do ácido gálico.
-Produção de antibióticos.
-Como probióticos.
-Como alimentos ricos em proteínas e vitaminas.
-Na fabricação de yogurts.
Na classificação botânica de Engler e Gilg, elaborada em 1924, os cogumelos de interesse médico compreendem os Schizophyta e os Eumycetes:
 
 
                                                       Schizophyta-Schizomycetes-Actinomycetales
 
 
 
Cogumelos de interesse médico
  
                                                                                                                                                                                                                             Archimycetes
                                                                                 Phycomycetes
                                                       Eumycetes          Basidiomycetes
                                                                                 Ascomycetes
                                                                                  Fungi Imperfecti ou Deuteromycetes
 
Os Eumycetes são os cogumelos propriamente ditos. São vegetais que não possuem clorofila e, assim, obrigatoriamente nutrem-se de restos orgânicos (saprófitas) ou de outros seres vivos (parasitas). Os parasitas podem ser obrigatórios ou facultativos, esses últimos somente tornam-se patogênicos em condições favoráveis. Constituídos de um talo que, na maioria das vezes, pode ser perfeitamente diferenciado em duas partes: micélio (ou rhizopodium), o aparelho vegetativo, e o encárpio, o aparelho de frutificação.  O micélio, termo criado em 1805 por Trattinick, é constituído por aglomerado de células (existem micélios unicelulares)  destinado às funções vegetativas dos cogumelos. Morfologicamente os micélios podem ser gemulantes, conhecidos também por leveduras, constituídos por células arredondadas, ovóides ou pouco alongadas, e filamentosos, divididos em dois grupos: os septados, cujo segmento é chamado de hifa, e os contínuos, cujo segmento chama-se sifon. O aparelho de frutificação ou encárpio origina os elementos de reprodução (que pode ser sexuada ou assexuada) chamados esporos.
 Na reprodução sexuada os filamentos se diferenciam para formar os gametângios. O gametângio feminino chama-se oosfera e o masculino anterídeo.
Na reprodução assexuada os esporos se formam no interior de aparelhos especiais (os esporângios), ou originam-se de outras maneiras diversas. Os entósporos de origem assexuada são os esporangiospóros que se formam  numa cavidade chamada esporângio. Os ectósporos são divididos em: conídios ou conidiósporos (nascem na extremidade miceliana),  talósporos (formados por células idênticas às do talo) e que podem ser blastósporos ou gêmulas (brotamento de elemento pré-existente) encontrado comumente nas leveduras, artrósporos (formados a partir de filamentos micelianos) encontrados em leveduras, clamidósporos (também formados a partir de filamentos micelianos), hemísporos (nascem na extremidade do talo), aleurias ou aleuriósporos que nascem como se fossem um depósito farinhoso ligado a um filamento, daí o nome aleuria (farinha), picnósporos (ectósporos encerrados numa cavidade especial).
As leveduras perfeitas apresentam processo sexuado de reprodução e as imperfeitas   somente se reproduzem por meio de brotos ou gêmulas.
Por conta principalmente dos esporos, os cogumelos se disseminam com grande facilidade favorecidos pelo vento, pela água, pelo solo, pelo homem, pelos animais, pelas sementes e pelos insetos.
Os cogumelos podem ser aeróbios, exigindo oxigênio para a sobrevivência, e anaeróbios,  os capazes de sobreviverem em ambientes pobres em oxigênio.
Sem dúvidas, o solo representa o grande habitat dos cogumelos.
Os exames laboratoriais muito raramente vêem fungos crescendo no estado perfeito.
Muitos fungos patogênicos para os humanos são saprófitas no meio ambiente. Eles causam infecções quando esporos chegam aos pulmões ou aos seios paranasais pelo ar ou quando hifas ou esporos são acidentalmente inoculados na córnea ou na pele. A transmissão humano para humano ou de animais para humanos é muito rara, a não ser com os fungos das micoses superficiais ou tinhas.
As infecções fúngicas somente conferem imunidade parcial contra reinfecções. Portanto, amigos passarinheiros, um pássaro que foi acometido por uma micose, mantidas as condições ambientais inadequadas, poderá se infectar novamente com o mesmo fungo.
As deficiências das imunoglobulinas (anticorpos específicos responsáveis pela imunidade humoral) não parecem predispor a qualquer das micoses, mas neutropenia (queda dos glóbulos brancos do grupo dos neutrófilos) é comum entre pessoas que desenvolvem aspergilose invasiva ou candidíases profundas. A imunidade mediada por células parece ter primordial importância em muitas micoses profundas.
Muitos fungos podem ter os seus gêneros ou mesmo espécies identificados, por mãos e olhos hábeis, pelo exame microscópico direto de esfregado de material adequado e, se for o caso, tingido por corantes especiais como o calcoflúor branco, que permite microscopia fluorescente, corante da Índia, Gram ou methenamina de Gomori. À exceção da Candida, mais parcimoniosa no crescimento, os outros fungos crescem facilmente em culturas permitindo rapidez nos exames microscópicos. Assim, as culturas em meios adequados fornecem material para a identificação morfológica e bioquímica rápida de muitos fungos, além de propiciar a realização de antibiogramas para testar a sensibilidade dos fungos aos medicamentos. Pesquisas imuno-histoquímicas podem ser feitas em fragmentos de tecidos obtidos por biópsia ou ressecção.  No soro podem ser pesquisados anticorpos ou a fixação do complemento. As reações intradérmicas hoje têm indicações muito limitadas.
Há vários medicamentos no mercado para o tratamento das micoses. O tratamento local pode ser feito com: a- Imidazóis e triazóis. São produtos sintéticos que agem impedindo a síntese do ergosterol na parede do fungo e, no uso local, lesam diretamente a membrana citoplasmática do parasita. Entre eles os mais usados são o clotrimazol, econazol, cetoconazol, sulconazol, oxiconazol, miconazol, butoconazol, tioconazol, todos imidazóis,  e o triazol terconazol; b- Antibióticos macrolídeos poliênicos, com amplo espectro de ação contra fungos e que agem aumentando a permeabilidade celular pela combinação com esteróis na membrana celular do parasita.  Os dois representantes maiores são a nistatina e a anfotericina B. A nistatina, por ser muito tóxica, somente é usada localmente e praticamente não é absorvida por via digestiva, o que, facilita o uso na candidíase bucal. A anfotericina B, embora também bem tóxica,  pode também usada por via venosa; c- Ciclopirox olamina, amplo espectro de ação, haloprogon (substância fenólica halogenada), tolnaftate (um tiocarbamato), naftifina  (alilalamina, age inibindo a biosíntese do ergosterol pelo fungo), terbinafina (alilalamina, mesmo mecanismo de ação da naftifina); d- Ácido undecilênico, ácido benzóico, ácido salicilico (a combinação do poder fungistático do ácido benzóico com o poder queratolítico do ácido salicílico pode ser útil no tratamento de micoses superficiais muito escamosas), ácido propiônico, ácido caprilico e iodeto de potássio.  Para as micoses profundas os medicamentos mais usados são: a- Anfotericina B, um dos 200 antibióticos do grupo dos macrolídeos poliênicos; b- Flucitosina, pirimidina fluoretada aparentada com o fluoracil e a floxuridina, cuja ação se dá pela capacidade dos fungos sensíveis  de deaminar a flucitosina em  5-fluorouracil, potente antimetabólito; c- Imidazóis (clotrimazol, miconazol, cetoconazol, econazol, butoconazol, oxiconazol e sulconazol)  e triazóis (terconazol, itraconazol e fluconazol); d- Griseofulvina, age principalmente inibindo a mitose fungal e f- Terbinafina.
O tratamento das micoses é área dos veterinários.
       
 
                                                      CRIPTOCOCOSE
 
A criptococose é uma micose invasiva causada por levedura encapsulada. É uma zoonose, podendo ser transmitida pelos animais ao homem. O Cryptococcus neoformans variedade neoformans é o mais comum no mundo todo, principalmente entre os imunodeprimidos. É fungo imperfeito e saprofítico. Dentro os inúmeros animais vitimas da criptococose estão os pássaros, psitacídeos e pombos.
Reproduz-se por brotamento produzindo células de forma redonda. No organismo e em alguns meios de cultura a levedura apresenta-se envolta por cápsula polissacarídea.  Cresce, em meios apropriados, entre 20 e 37 º C formando colônias cremosas esbranquiçadas.
O Cryptococcus apresenta quatro serotipos capsulares conhecidos por A, B, C e D. Coculturas especiais permitiram isolar estados diplóides transitórios denominados Filobasidiella neoformans va. neoformans para os serotipos A e D e Filobasidiella neoformans var. bacillispora para os serotipos B e C.  Há variedades não passíveis de coculturas como o C. neoformans var. neoformans para os serotipos A e D e o C. neoformans var. gattii para os serotiipos B e C.
Outras espécies de Cryptococcus, mais raras, são o C. laurentii e o C. albidus.
Embora tenha distribuição generalizada, predomina  nos climas temperados em solos contaminados por fezes de aves. Pode contaminar frutas e vegetais e ser veiculado por baratas. Fezes de pombos geralmente contêm os serotipos A ou D (C. neoformans var. neoformans).
A variedade gatti do C. neoformans é encontrada principalmente nos trópicos no lixo acumulado embaixo dos eucaliptos australianos Eucalyptus camaldulensis e Eucalyptus tereticornis (flowering river red gum trees) e, como essas árvores proliferam em outros países, pode ser endêmico em regiões tropicais mesmo em animais não imunodeprimidos. 
O pessoal que o manuseia em laboratórios e que trabalha em criadouros de aves, principalmente pombos, apresenta alto grau de exposição.
A inalação dos esporos é a porta de entrada da infecção no organismo.. É rara a inoculação local do parasita na pele ou nos olhos. Como acontece com outros fungos, nas pessoas com defesas íntegras a criptococose fica limitada aos pulmões, nos quais, provoca granulomas contendo a levedura. Nos imunocomprometidos pode haver a disseminação da infecção para as meninges, cérebro, olhos, pele e ossos. Ne pele e ossos, além dos granulomas, podem aparecer micro-abscessos.
A infecção pulmonar muitas vezes evoluiu sem sintomas, havendo casos de portadores assintomáticos entre pessoas que trabalham com pombos ou em laboratórios que manuseiam o parasita. A infecção franca provoca tosse, febre, dor torácica e sinais gerais e  radiológicos, sendo mais raros as cavidades e o derrame pleural.
Nos imunocomprometidos a criptococose é, como outros fungos, oportunista (doença de doentes). É bem mais rara nos indivíduos com defesas normais. Pode haver disseminação da infecção a partir de um foco pulmonar primário. A meningite, subaguda ou crônica, é o quadro de disseminação mais comum. A meningoencefalite, caracterizada por visão borrada, dor de cabeça, marcha cambaleante, náuseas, confusão mental e irritabilidade pode já estar presente quando o diagnóstico é feito. A sepse (disseminação para o sangue e órgãos), que pode provocar transtornos respiratórios e falência múltipla de órgãos, é rara. O acometimento ósseo manifesta-se por artrite, inchaço, calor e vermelhidão das partes moles e dor durante a locomoção; as lesões são, na maioria das vezes, unifocal e os ossos mais comumente atingidos são as vértebras, principalmente,  íleo, úmero e o fêmur. As lesões cutâneas são ulcerações, com necrose central, sendo precedidas por eritema, endurecimento e calor. As lesões oculares, a coroidite, com ou sem retinite, e a uveite são raras e provocam perda da acuidade visual, dor e fotofobia. Poucos recuperam totalmente a visão.
Nas aves é descrita como doença granulomatosa necrótica do fígado,ossos longos, cérebro, pulmões, baço  e intestino. A encefalite e a meningite também podem fazer parte do quadro clínico. Os sinais mais comuns são a falta de ar,  perda de peso podendo chegar ao peito seco, anemia, diarréia, cegueira, paralisias, e dificuldades no voo e na marcha.
O encontro dos fungos em culturas ou nos estudos histológicos determina o diagnóstico definitivo. Nos casos disseminados os antígenos podem ser demonstrados no sangue e no liquor.
Como a criptococose não é levada em conta como patologia de pássaros, o diagnóstico geralmente somente é feito após a morte.
O papel importante dos criadores, como em todos os controles de parasitas, é tomar as medidas higiênicas para evitar que o fungo apareça e tome assento nos criadouros:
-Manter os pássaros bem nutridos porque a desnutrição diminui a resistência da mucosa e de todo o organismo aos parasitas. E não é só a desnutrição calórico-proteica em sua dimensão máxima visível, mas também a desnutrição ocasionada pela falta na dieta de micro elementos e/ou elementos traços, caracterizando a fome oculta. Embora geralmente não ocasione quadros clínicos chamativos, a fome oculta provoca problemas metabólicos seríssimos aos animais. Isso mostra a importância de não só dar alimentos aos pássaros, mas de propiciar a eles todos os nutrientes necessários em doses e balanceamentos adequados;
-Os fungos gostam da umidade. Portanto, ambientes úmidos e escuros, sem ventilação, são convites aos bolores e leveduras. Cuidado especial com as camas de pássaros que nidificam em caixotes, cabaças ou outros ambientes fechados, como os canários-da-terra, pois, favorecem a umidade do ambiente, o calor, a ventilação insuficiente e a baixa luminosidade, fatores ideais para o desenvolvimento de fungos;
-Muito cuidado com validade e estocagem dos alimentos e com a manutenção deles por muito tempo nos cochos ou outros vasilhames. As aves aquáticas podem ser contaminadas ao ingerir sementes úmidas, como as do milho. Cuidado extremo com as sementes lavadas, para que enxuguem bem, e com as sementes germinadas;
-Evitar estresses, outro fator para a diminuição da resistência. Ambientes barulhentos e iluminados à noite, gaiolas muito pequenas e a superpopulação (as Chinas aladas) estão entre os mais comuns. Muito comum o passarinheiro dar muita importância para o aspecto externo da gaiola, satisfazendo o seu ego com as belezuras que fica bolando, deixando de lado o maior interesse que é a área disponível para a movimentação do pássaro;
-Higiene das gaiolas. Gaiolas e poleiros imundos, o que não é muito difícil de serem vistos, favorecem muito o surgimento dos fungos. Extremo cuidado com o piso dos viveiros, principalmente o feito de terra;
-Usar os antibióticos, principalmente os de largo espectro, somente com a indicação de profissional habilitado após o diagnóstico correto e a indicação precisa. Esse negócio de ficar atirando a torto e a direito, tentando cercar os parasitas por adivinhação, jamais foi boa prática médica. Creio ser esse o maior erro cometido pelos passarinheiros com as suas aves. O desequilíbrio da flora e a criação de bactérias resistentes com toda certeza estão entre as principais causas das altas mortalidades encontradas nos criadouros, principalmente entre os filhotes. Isso, aliado à desnutrição, torna inviável qualquer projeto de boa criação de pássaros. Os antibióticos não só desequilibram a flora intestinal e criam patógenos resistentes como diminuem as defesas da mucosa intestinal e modificam o seu metabolismo, fatores que favorecem não somente a Candida como outros fungos, como o Aspergillus e o Cryptococcus;
-Nos casos específicos do Aspergillus e do Cryptococcus evitar o uso de material orgânico nos ninhos e camas. Os ninhos e as camas (fios de sisal, palha) úmidos favorecem o aparecimento do fungo e a contaminação dos filhotes;
-Não descuidar da quarentena à qual devem ser submetidos todos os pássaros que chegam ao criadouro, inclusive aqueles que vão aos torneios, o que, facilita muito o trânsito de fungos, bactérias e vírus;
-Cuidado intensivo das mãos de quem mexe com os pássaros. As mãos estão entre os maiores veiculadores de parasitas;
-Manter isolamento total do pássaro acometido por micoses.
 

 
avatar
José Carlos Pereira
Membro do Fórum
Membro do Fórum


Masculino BRASIL
Mensagens : 229
Pontos : 263
Idade : 76
CIDADE/CITY : Cruzeiro
ESTADO/PROVÍNCIA : SP

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum